WEB RÁDIO

quarta-feira, 27 de junho de 2012

www.clubejp.fm

REFLEXÃO DO DIA - A FORÇA DO EXEMPLO



Muitas pessoas acreditam que para educar as crianças basta falar sobre boas maneiras, fazer longos discursos teóricos sobre como se deve agir na vida.

No entanto, esquecem-se da força do exemplo e negam a teoria fazendo o que desaconselham ou deixando de fazer o que ensinam.

Um dia, dois amigos brasileiros andavam por uma rua movimentada de uma cidade alemã, quando se detiveram há alguns metros da faixa de pedestres.

Como não vinha carro algum, resolveram atravessar.

Todavia, antes de chegarem ao outro lado, perceberam que uma senhora, em companhia de uma criança, lhes falava com veemência, fazendo parecer que reprovava aquela atitude.

Como não entendiam a língua alemã perguntaram à amiga que os acompanhava, que vivia naquela cidade e falava alemão, o que a senhora estava dizendo.

A amiga então esclareceu que ela os recriminava por terem atravessado a rua fora da faixa de pedestres e dado esse mau exemplo à criança.

"Como podem fazer isto diante de uma criança e depois exigir que faça o certo?", falou a senhora.

"Como poderemos deixar um filho sair na rua e confiar que obedecerá as leis de trânsito, quando lhes damos o pior exemplo?", acrescentou indignada.

Com certeza aquela senhora alemã agiu como cidadã que tem consciência de que a melhor pedagogia é o exemplo.

Quando os amigos nos contaram esse episódio, ficamos a imaginar se em nossas ruas alguém teria a coragem de tomar uma atitude dessas...

Por aqui, é comum se ver os próprios pais arrastando seus filhos pela mão, em correria, para chegar ao outro lado da rua, não muito longe da faixa ou da passarela...

Não é difícil perceber motoristas avançando o sinal, parando sobre a faixa de pedestres, desrespeitando a sinalização. E muitas vezes têm os filhos por testemunha.

Nós, que desejamos mudar essa triste estatística de mortes por acidente de trânsito em nosso país, precisamos agir com sabedoria.

Enquanto os adultos não se educarem para mostrar como se faz, não se pode esperar um panorama melhor no futuro, pois a base, que são as crianças, estará comprometida.

E as mortes no trânsito são apenas um dos fatores resultantes da deseducação. E causam bastante infelicidade e prejuízos.

Há também o fator corrupção, que tanta desgraça tem causado em nossas vidas.

Quando pais ou mães são abordados pelo guarda de trânsito, por terem cometido uma infração qualquer, e começam a inventar mentiras diante dos filhos, para se justificar, estão ensinando os filhos a ser desonestos.

O certo é que deveriam admitir que agiram equivocadamente, e assumir a multa.

O que se poderá esperar de um educando que recebe essas lições?

Existem tantos outros exemplos, mas não é necessário relacionar todos eles para se chegar à conclusão de que o exemplo arrasta, e que é preciso pensar nisso.

Quantas mortes no trânsito não poderiam ser evitadas se os adultos só dessem boas lições às crianças!?

Quanta desonestidade deixaria de existir se os exemplos dos educadores fossem sempre de honestidade e honradez!?

Quanta violência não seria praticada se os exemplos de violência não fossem passados para a infância!?

Se você concorda com essas argumentações, e está pensando que apenas o seu exemplo não adiantará, pense na autoridade moral que terá diante do seu filho, agindo certo.

Ainda que todas as demais pessoas dessem maus exemplos, se você agir corretamente terá o respeito do seu filho, e é isso que importa.

Pense nisso, e considere que uma criança poderá estar observando você e aprendendo com os seus exemplos, neste exato momento.



Ouça as nossas reflexões diariamente na CLUBE FM JOÃO PESSOA 103.3 comigo às 05h00.



terça-feira, 26 de junho de 2012

REFLEXÃO DO DIA - A FÉ



Quando se fazem referências à fé há os que afirmam que a fé é uma coisa doentia, covarde. Própria dos fracos e oprimidos que necessitam dela para poderem sobreviver.

Ou então que fé é a recompensa imerecida pelo que você ainda não fez.

Examinando a história de todos os tempos, verificamos que é exatamente o oposto.

Somente homens de extremada fé foram capazes de realizações que assombraram os seus iguais.

Graças à fé, os primitivos cristãos enfrentaram as dores dos mais horrendos suplícios e a morte, entre cânticos e preces, motivo mesmo que arrastava outros tantos a buscarem aqueles ensinos do carpinteiro, que assim movimentava homens e mulheres na direção dos céus.

Movido pela fé e seu acendrado amor ao semelhante, frei Damião de Vesteur buscou a ilha abandonada de Molokai, tornando-se um igual entre hansenianos, à época caçados como animais e simplesmente jogados naquele local.

Mais do que lhes ser o enfermeiro dos corpos, ele lhes foi o médico das almas.

Encontrou um rico havaiano que todos diziam haver desaparecido, ali, infectado.

A amargura o tomara por inteiro e ele acariciava, de forma constante, um revólver, afirmando que um dia, quando não mais suportasse o rol das dores, ele haveria de buscar a morte por suas próprias mãos.

Damião lhe falou com tamanha fé dos objetivos da vida e da dor, da vida que não perece para além da tumba que, um dia, recebeu de presente, envolvido em embrulho improvisado, a arma daquele homem. O bilhete que acompanhava o instrumento, laconicamente afirmava: "estou morrendo e morro com dignidade. Não necessito mais dele. Você me convenceu."

Nos relatos evangélicos, é o próprio Jesus, que, mais de uma vez, em se referindo às curas operadas por ele, afirmava aos curados: "tua fé te salvou."

A fé é chama divina que aquece o espirito e lhe dá forças para tudo superar: mágoas, decepções, revoltas, traições e até mesmo a morte.

Para a aquisição do equilíbrio, é imprescindível a fé, para que o homem sobreviva ao clima de desespero que irrompe de todo lado, ante as problemáticas sempre mais afligentes que invadem a humanidade.

O homem não pode prescindir da valiosa contribuição da fé.

Alberto Santos Dumont, ao verificar a aplicação do seu invento na guerra, amargurou-se e buscou a morte pelo suicídio.

Alfredo Nobel em descobrindo que a dinamite fora usada para extermínio de povos, entrou em profunda tristeza e assim ficou até a sua desencarnação.

Se eles tivessem fé, poderiam ter aguardado e verificado no tempo, com a marcha do progresso, os benefícios dos seus inventos colocados a bem da humanidade.

Alimentar a fé é um dever do homem, dever que não deve ser deixado para mais tarde pois a fé é necessária para sustentar a própria paz.

***

A fé é virtude espontânea e conquista intelectual.

Sua função é fornecer forças para solucionar problemas, não afastar o seu portador dos testemunhos necessários para a sua evolução.

A fé é, em suma, um tesouro de inapreciável valor que caracteriza os homens nobres, no serviço da humanidade.


Ouça as nossas reflexões diariamente na CLUBE FM JOÃO PESSOA 103.3 comigo às 05h00.