WEB RÁDIO

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

REFLEXÃO DO DIA - O IMPORTANTE É APRENDER







 Depois de algum tempo, você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma. Você aprende que amar não significa apoiar-se. Que companhia nem sempre significa segurança. E começa a aprender que beijos não são contratos e presentes, não são promessas. 

Começa a aceitar suas derrotas com a cabeça erguida e olhos adiante, com a graça de um adulto e não com a tristeza de uma criança. 

Depois de um tempo, você aprende que o sol queima, se ficar exposto por muito tempo. E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, um dia ela pode feri-lo. E se isso acontecer, você precisa perdoá-la. 

Descobre que se levam anos para construir confiança e, apenas segundos para destruí-la. Que você pode fazer coisas em um instante, das quais se arrependerá pelo resto da vida. 

Aprende que verdadeiras amizades continuam a crescer mesmo a longas distâncias. Que o que importa não é o que você tem na vida, mas quem você tem da vida. 

Aprende que não temos que mudar de amigos se compreende que os amigos mudam. Percebe que seu melhor amigo e você podem fazer qualquer coisa, ou nada, e terem bons momentos juntos. 

Descobre que as pessoas com quem você mais se importa na vida são tomadas de você muito depressa. Por isso, sempre devemos deixar as pessoas que amamos com palavras amorosas. Pode ser a última vez que as vejamos. 

Descobre que se leva muito tempo para se tornar a pessoa que se quer ser, e que o tempo é curto. 

Aprende que, ou você controla seus atos ou eles o controlarão. Que ser flexível não significa ser fraco ou não ter personalidade, pois não importa quão delicada e frágil seja uma situação, sempre existem dois lados. 

Aprende que paciência requer muita prática. Descobre que algumas vezes, a pessoa que você espera que o chute quando você cai, é uma das poucas que o ajudam a se levantar. 

Aprende que maturidade tem mais a ver com os tipos de experiência que se teve e o que você aprendeu com elas, do que a quantidade de aniversários que você celebrou. 

Aprende que quando está com raiva, tem o direito de estar com raiva, mas isso não lhe dá o direito de ser cruel. 

Descobre que só porque alguém não o ama do jeito que você gostaria, não significa que esse alguém não o ama intensamente, pois existem pessoas que nos amam, mas simplesmente não sabem como demonstrar ou viver isso. 

Aprende que nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você tem que aprender a perdoar a si mesmo. 

Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido. O mundo não pára para que você o conserte. 

Aprende que o tempo não é algo que possa voltar para trás. 

Portanto, plante seu jardim e decore sua alma, ao invés de esperar que alguém lhe traga flores. 

E você aprende que pode suportar que realmente é forte, e que pode ir muito mais longe, depois de pensar que não pode mais. 

E, finalmente, que a vida tem valor e que você tem valor diante da vida. 

* * * 

A vida é constituída de desafios constantes. Sempre há que se começar a viver de novo. 

A cada momento você pode recomeçar uma tarefa edificante que ficou interrompida. 

Nunca é tarde para fazê-lo. 

Nunca desista de lutar. Refugie-se na oração, a fim de ganhar força e inspiração divina. 

Lembre-se: o importante é aprender!



Ouça diariamente às 05h00 comigo no Bom Dia Clube as nossas reflexões.


É na Clube FM João Pessoa 103.3


www.clubejp.fm

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

REFLEXÃO DO DIA - ISSO EU APRENDI




Um periódico de circulação nacional promoveu uma pesquisa bastante interessante.

Fizeram a seguinte pergunta para pessoas em todo Brasil: O que você aprendeu na sua vida, de mais valioso, até hoje?

As respostas foram, na maioria, bastante ricas, e convidam a muitas reflexões necessárias.

Uma delas dizia:

Aprendi que, não importa quanto eu queira, nem quanto tente: eu não consigo mudar ninguém. As pessoas são o que elas são.

É preciso amá-las por sua verdade, não pelo que eu gostaria que fossem. Entendi isso aos 70 anos, na missa de minhas bodas de ouro.

A pessoa entrevistada, na época da pesquisa, já contava com 83 anos, e mostrava que nunca é tarde para se aprender algo importante na existência.

Nosso compromisso de mudança é conosco mesmo. Tentar mudar o outro só nos traz frustração profunda, e possível malquerença mútua.

Outra pessoa inquirida, dizia:

Aprendi que o sorriso é contagiante. Não espero ninguém me cumprimentar; faço questão de saudar todo mundo com um sorriso, todos os dias.

É incrível, mas até as pessoas tímidas ou sisudas sorriem de volta e falam bom dia.

Posturas como essas são posturas que irão salvar o mundo da tristeza, do sofrimento, dos comportamentos depressivos, das doenças.

Tomar a iniciativa é fundamental. Não esperar o sorriso do outro e sempre sorrir, nos faz agentes da alegria na sociedade.

Outro entrevistado, ainda, afirmava:

Aprendi que as coisas são sempre piores na nossa cabeça do que na realidade. Sofria demais por antecedência, imaginando "e se" isso, "e se" aquilo.

Quando acontecia, não era nada demais. O pior já havia passado, e foi dentro de mim.

Quantas vítimas tem feito a nossa ansiedade... Quantas enfermidades geradas pelo comportamento ansioso do mundo moderno.

Entender que a preocupação excessiva não resolve, faz-se fundamental para poder se levar uma vida mais leve, mais agradável.

É indispensável confiar em Deus, em Suas Leis, na perfeição do Universo.

Fazer a nossa parte, sim, e confiar. Confiar sempre, pois o que é melhor para nós sempre acontece.

* * *

De tempos em tempos, precisamos nos perguntar: O que de importante aprendi?

O aprendizado precisa ser identificado, catalogado, amadurecido na alma.

A existência de quem vive colecionando aprendizados é sempre mais feliz. Ela tem propósitos, metas, avaliações e resoluções constantemente.

A postura de quem realiza tais conquistas, e as identifica, não deve ser a postura exibicionista, vaidosa, não.

Essa contabilização é íntima. A comemoração é do coração.

Os que estão à volta poderão identificá-la, claro, mas através de nossas ações no bem, de nossa renovação de valores, que faz brilhar a nossa luz com força e segurança para todos os lados.

Pense nisso!!!!



Ouça as nossas reflexões diariamente no Bom Dia Clube comigo às 05h00 na Clube FM João Pessoa.


www.clubejp.fm

terça-feira, 7 de agosto de 2012

REFLEXÃO DO DIA - INVESTIMENTO MORAL




Você já pensou no que significa investir na moral? 

Talvez tenha notado a grandiosidade daqueles que ficaram conhecidos na terra como agentes do bem, e tenha se achado impotente para essas grandes realizações. 

No entanto, considerando que moral é a regra de bem proceder, entendemos que investir na moral pode ser mais fácil do que imaginamos, com gestos mínimos que, acumulados, resultam em grande soma. 

Quando oferecemos nosso assento, no coletivo, a uma pessoa que precisa mais do que nós, estamos procedendo bem. 

Quando não buzinamos e evitamos que algum enfermo ou uma criança que acaba de dormir acorde, agimos bem. 

Um comentário maldoso que não levamos adiante, é bem proceder. 

Um minuto de atenção a alguém que nos pede uma informação na rua, é pequena parcela de bem que estamos acumulando em nossa moralização. 

Um pedaço de papel que ajuntamos na rua, fazendo com que nossa cidade fique mais limpa, é parcela de bem somada em nossa economia moral. 

Quando economizamos papel higiênico, água, papel toalha, em banheiros de shoppings ou públicos, em restaurantes ou na empresa onde trabalhamos, estamos agindo no bem. 

Se moral é a regra de bem proceder, sempre que procedemos bem, estamos agindo com moralidade. 

E agir no bem quer dizer agir com imparcialidade, ou seja, o bem não seleciona, não discrimina, não premia, não faz concessões que o desfigurem. 

As horas do dia são as mesmas para todos, mas o que cada um realiza com os minutos é que dá o tom de moralidade ou de imoralidade às ações. 

Nós podemos escolher sempre o bem, mesmo nas pequenas atitudes. Isso, ao longo dos anos, nos permitirá acumular uma grande soma de valores que nos garantirá a paz de consciência. 

Ao contrário, se optamos sempre pelo mal proceder, geralmente mais fácil, dando vazão ao egoísmo e ao orgulho, acumularemos imensa soma de desgostos e dissabores, tornando-nos uma pessoa amarga e infeliz. 

Assim, cada instante de nossa vida é uma oportunidade de investir em nossa moralidade. 

E para investir com proveito é necessário o devido esforço para orientar a nossa conduta pela razão. 

Fazendo sempre uso da razão para nos conduzir as ações, teremos mais chance de lograr êxito na intenção de bem proceder. 

E usar a razão com discernimento, é dar a mesma importância aos interesses de cada indivíduo que será envolvido por aquilo que fazemos. 

Agindo assim seremos um agente moralizado, um agente do bem, mas um agente moral lúcido e não piegas que age mais por indução ou temor do que por convicção. 

O exame sistemático de tudo o que fazemos, considerando de maneira imparcial os interesses de todos que serão afetados por nossas ações, e optando pela atitude que mais benefícios e menos prejuízos causem a todos, é ser um agente moral consciente. 

Ouvir a razão, sempre, e examinar as implicações de nossas atitudes, é desejar uma sociedade melhor, mais justa e mais feliz. Ainda que isso signifique ter que rever algumas convicções prévias. 

Saber a melhor maneira de viver é o grande desafio da atualidade. 

Se consideramos que as mais notáveis diretrizes de bem viver, jamais superadas por quaisquer teorias, foram as do Sábio de todos os tempos, Jesus, então precisamos rever nossos conceitos. 

Não fazer aos outros, o que não gostaríamos que os outros nos fizessem: eis a receita para quem deseja ser um agente moral lúcido. 

Fazer aos outros, o que gostaríamos que os outros nos fizessem: eis a chave para ser um agente do bem. 


Pensemos nisso!


Você pode ouvir as nossas reflexões diariamente às 05h00 comigo na Clube FM joão Pessoa 103.3 no Bom Dia Clube.


segunda-feira, 6 de agosto de 2012

REFLEXÃO DO DIA - INFLUÊNCIA INFELIZ




Você, que convive mais de perto com as crianças, já notou como elas, em geral, têm um coração generoso e uma grande capacidade de perdoar? 

Além disso, percebem as coisas de maneira simples e descomplicada. 

Mas, infelizmente, o que acontece é que, às vezes, os adultos exercem sobre elas uma influência infeliz. 

Quando a criança chega chorando, por exemplo, dizendo que o amigo lhe bateu, logo os pais tomam partido, aconselhando que não brinque mais com o malvado, que fique longe dele. 

Passam-se apenas alguns minutos e eis que o pirralho já está às voltas com o amiguinho brigão, dando mostras de leveza de sentimentos, de esquecimento das ofensas. 

Mas para os pais isso não está certo. E não é raro que questionem o filho, perguntando-lhe como pode brincar novamente com aquela criança agressiva? Isso quando não dizem, logo no início: se ele te bateu, bata nele também! 

Ao agir assim o educador passa para o seu educando a lição da mágoa, do rancor, do melindre, da violência. 

Noutras vezes, passa lições de vingança sem se dar conta. É quando, por exemplo, a criança bate em algum objeto e corre para o colo da mãe chorando. 

Esta imediatamente começa a xingar o objeto, dizendo que ele é o culpado, que é feio, malvado, e até chega ao cúmulo de bater no objeto como se fosse um ser vivo.

Sem dúvida uma lição de vingança. E, além disso, a criança aprende a jogar nos outros a culpa pelos próprios descuidos. Se é um objeto inanimado, não poderia ter saído do lugar para se jogar contra nosso filho, mas há pais que passam essa idéia. 

Seria mais fácil e verdadeiro, além de educativo, socorrer a criança e lhe dizer que isso acontece porque, às vezes andamos meio distraídos. 

Há crianças que também aprendem com os próprios pais, a lição do egoísmo. Estes lhe dão um brinquedo e não deixam de recomendar: "não deixe ninguém mexer no seu brinquedo, filho, pois poderá estragar." 

Mais tarde, quando o filho esconde suas coisas dos próprios irmãos, não se sabe onde arranjou tanto egoísmo. 

A mentira, não raro, também é lecionada dentro do lar. Há pais que mentem com tanta naturalidade na presença dos filhos, que nem se dão conta de que eles os observam e imitam seus exemplos. 

Lições de desonestidade, por vezes, são passadas com tanta freqüência que passam a fazer parte da formação dos caracteres do educando. 

É quando o pai pede ao filho que não conte isto ou aquilo para a mãe, ou vice e versa. 

Quando o garçom se engana no troco e entrega dinheiro a mais, e o pai diz que não devolverá, pois o problema não é dele e sim do garçom que não presta atenção no que faz. Mas se o garçom devolve dinheiro a menos, então o pai reclama seus direitos. 

Esses são apenas alguns exemplos de como podemos exercer influência negativa na formação do caráter dos nossos filhos. 

Sendo assim, é preciso que prestemos muita atenção em nossas atitudes, em nossa maneira de lidar com as situações corriqueiras, pois elas são de extrema importância na educação informal das nossas crianças. 

Pense nisso! 

A criança é extremamente observadora. 

Ela está sempre atenta aos nossos menores gestos e palavras. 

Portanto, conduzirá seus passos guiados pelos nossos. 

Tomará atitudes baseadas nas nossas. Terá por valores tudo o que valorizamos e por desvalores o que desvalorizamos. 

Por essas e outras razões, precisamos pensar muito bem antes de agir, de forma que nossas ações sejam lúcidas e coerentes com o caráter de um verdadeiro homem de bem. 

Pensemos nisso!



Ouça as nossa reflexões diariamente comigo na Clube FM João Pessoa no Bom Dia Clube às 05h00.