WEB RÁDIO

domingo, 27 de janeiro de 2019

Alerta! Brumadinho tem risco iminente de novo rompimento; comunidades são evacuadas

Foto: valeinformar.valeglobal.net

O Corpo de Bombeiros afirmou, que existe "risco iminente" de rompimento de outra barragem em Brumadinho (MG). Por volta das 8h, equipes faziam a evacuação das comunidades Córrego do Feijão e Tejuco, que ficam próximas à barragem 6, também pertencente à Vale.

Segundo o porta-voz da corporação, tenente Pedro Aihara, a barragem possui água e fica próxima à que cedeu na sexta-feira (25). Caso ocorra o rompimento, a água poderia levar cerca de 30 minutos para alcançar o centro de Brumadinho. Aihara pediu que a população das áreas baixas e do centro da cidade seguisse para três pontos seguros: a Igreja Matriz, no centro de Brumadinho, o morro do querosene e para a delegacia de polícia. No total, cerca de 24 mil pessoas podem ser afetadas.

A barragem estava sendo drenada pela Vale para evitar uma nova ruptura desde a noite de sábado, quando as buscas foram interrompidas. O monitoramento está sendo feito a cada uma hora, juntamente com a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros.

Em nota, a Vale informou que acionou as sirenes às 5h30 "ao detectar aumento dos níveis de água nos instrumentos que monitoram a barragem 6". Enquanto a sirene tocava, um alto-falante pedia para que a população buscasse áreas mais altas da cidade.

Uma das regiões que está sendo evacuada tem cerca de 25 casas --os moradores do bairro Parque das Cachoeiras foram levados para áreas mais altas dentro da própria comunidade-- a medida está prevista no plano de emergência de barragens. Não há informações sobre o número de casas ou de pessoas que estão sendo retiradas das outras áreas de risco.

A B6, como é conhecida a barragem ameaçada do complexo da Vale no Córrego do Feijão, tem capacidade para 1 milhão de metros cúbicos, segundo documento da Vale. Segundo o Corpo de Bombeiros, porém, engenheiros da empresa informaram no sábado que a barragem teria de 3 a 4 milhões de metros cúbicos de água. A que rompeu na sexta-feira tinha capacidade para 12 milhões de metros cúbicos de rejeitos. O papel da B6 é a recirculação de água.

A nota da empresa diz ainda que "a Vale continuará monitorando a situação, juntamente com a Defesa Civil".

As buscas a vítimas do rompimento da barragem tinham sido interrompidas às 20h deste sábado, por medida de segurança, justamente para a drenagem. A operação seria retomada às 4h deste domingo, mas as buscas foram adiadas, já que as equipes estão priorizando a retirada das famílias na área de risco.

Ainda segundo o tenente Aihara, o espaço aéreo da região, a partir de hoje, ficará fechado para aeronaves em geral por determinação da Aeronáutica. O objetivo é facilitar ações de resgate. "Somente aeronaves envolvidas nas ações de resgate podem sobrevoar o local", disse o porta-voz.

37 mortos e 296 desaparecidos

O último balanço divulgado pelas autoridades nesta manhã confirma a morte de 37 pessoas e o resgate de 192 pessoas. Neste domingo, não foi informado o número de desaparecidos --na noite de sábado, os bombeiros informaram que 296 pessoas estariam desaparecidas.

Para auxiliar o trabalho de busca por vítimas, a Justiça mineira conseguiu uma liminar obrigando empresas de telefonia a fornecer dados sobre sinal dos celulares de pessoas que estavam na região da barragem.

Com o novo número de mortos, a queda da barragem em Brumadinho na sexta-feira já fez mais vítimas que o desastre ambiental de Mariana, em 2015, que deixou 19 mortos.




Fonte: UOL

Nenhum comentário:

Postar um comentário