WEB RÁDIO

sábado, 2 de fevereiro de 2019

Morre Josias Albuquerque, presidente da Fecomércio




Faleceu neste sábado (2), o presidente da Federação do Comércio, Bens, Serviços e Turismo de Pernambuco (Fecomércio/PE), Josias Silva de Albuquerque. 


Ele tinha 82 anos e estava internado no Hospital Português, no Recife. A causa da morte foi falência múltipla dos órgãos em decorrência de doença hepática.




Da redação do Blog do Léo Lima

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Vídeo mostra momento em que lama avança sobre Brumadinho. Assista.



Um outro vídeo também flagrou a onda descendo pela mina. Primeiro, aparece uma poeira do lado esquerdo da imagem – ela sobe e se alastra. Depois, vem a lama.

Ao centro , veem-se uma estrutura da Vale, veículos e alguns funcionários da mineradora. Condutores de um veículo branco e de uma máquina tentam escapar, mas são cercados pelo mar de lama e somem.


Da redação do Blog do Léo Lima

Veja o momento exato do rompimento da Barragem de Brumadinho-MG


Uma câmera de segurança registrou o momento exato em que a Barragem 1 da Mina Córrego do Feijão, da Vale, se rompeu em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

As imagens foram cedidas pela mineradora a autoridades que investigam a tragédia.

Eram 12h28min25s de sexta-feira (25) quando a parte inferior do reservatório começou a ceder e liberou uma avalanche devastadora de rejeitos de mineração.


Da redação do Blog do Léo Lima

PROCON JABOATÃO CONSTATA AUMENTO DE 6% NA CESTA BÁSICA NO MÊS DE JANEIRO



O Procon do Jaboatão dos Guararapes divulgou, nesta sexta-feira (31), pesquisa de variação de preços dos itens mais consumidos pela população nos principais supermercados do município.

O levantamento, realizado no período de 21 a 25 de janeiro, constatou diferença de até 301% no valor de um mesmo produto vendido em estabelecimentos comerciais diferentes. Outro aspecto constatado pela pesquisa foi o aumento de 6% no preço médio da cesta básica, quando comparado com análise realizada no mês de dezembro do ano passado.

Encabeçam a lista dos produtos com maior variação de preços o tomate (301%), a farinha de mandioca (195%), o pão francês (158%), a banana prata, maçã nacional (137%), salsicha (121%) e a laranja (100%).

O valor mais alto do quilo do tomate comercializado no município chega a R$7,99, podendo ser encontrado, também, por R$ 1,99. No caso do quilo da farinha de mandioca, as diferenças são significativas – vai de R$5,89 a R$ 1,99 -, assim como o pão francês, cujo quilo varia de R$ 12,90 a R$ 4,99.

No comparativo entre as pesquisas de dezembro e janeiro, o Procon Jaboatão verificou que houve aumento de 6% no preço médio da cesta básica, puxado pela alta dos valores do feijão (50%), batata (22%), banana (47%) e pão francês (19%).




Fonte: Prefeitura do Jaboatão dos Guararapes

Renato Antunes (PSC) vai liderar oposição à Geraldo Júlio

Foto: Anderson Barros

O vereador Renato Antunes será oficializado nesta sexta-feira, durante a sessão solene que abre os trabalhos na Câmara Municipal, como líder do novo bloco de oposição na Casa José Mariano. A nova composição será composta pelos partidos  PSDB, PTB, PRTB e PSL, além do PSC.

Antunes, que está em seu primeiro mandato como vereador do Recife, tem sido uma voz frequente na fiscalização da gestão do PSB na capital, e também no Estado. O parlamentar assegurou que o novo bloco de oposição tem como principal objetivo, fazer um trabalho propositivo na Câmara, e mantendo o diálogo com o governo.

“É preciso que fique claro que ser oposição, não é ser inimigo do prefeito. Queremos ver o avanço do Recife, e vamos parabenizar quando for o momento. Mas vamos buscar respostas, quando entendermos que a população está sendo prejudicada. Não podemos mais aceitar uma cidade maravilhosa na publicidade, mas cheia de problemas no mundo real”, pontuou Renato.

A vice-liderança do bloco de oposição ficará com o vereador André Régis (PSDB), também poderá receber novos nomes. “Não fecharemos as portas para quem deseja estudar a cidade, e trabalhar para melhorias para o povo. Alguns parlamentares deverão aumentar nosso bloco. O prefeito precisa entender que ele não é o dono do Recife, mas sim o povo. E quando ele não respeita o poder legislativo da cidade, ele está virando as costas para população”, criticou Renato, o fato da dificuldade de comunicação com a gestão municipal.

quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

JABOATÃO REALIZA MUTIRÃO DE RECOLHIMENTO DE SUCATAS DE AUTOMÓVEIS ABANDONADOS EM VIAS PÚBLICAS


  
A Prefeitura do Jaboatão dos Guararapes (PE) realiza neste momento uma grande ação nos bairros de Jardim Jordão, Candeias, Prazeres e Cajueiro Seco para recolhimento de veículos abandonados em vias públicas.

As sucatas, além de ocupar vagas irregularmente, se transformam em focos de proliferação do mosquito Aedes Aegypti, local para uso de drogas e esconderijos para assaltantes. 

Somente no ano passado, foram recolhidas 218 sucatas.
  
A ação envolve Agentes de Trânsito e Guardas Municipais da Secretaria Executiva de Mobilidade e ordem Pública (Semop) e equipes da Secretaria Executiva de Serviços Urbanos e Manutenção (Sesurb).
  

Os veículos sem placas serão levados para um galpão de reciclagem, no bairro de Prazeres, onde permanecem por um prazo de 70 dias, à espera dos proprietários para resgatá-los.


Carros que possuem placas são levados para um depósito no bairro do Curado, onde os proprietários são identificados e, posteriormente, notificados.

Além de precisar arcar com as despesas de acionamento de guincho, que variam de R$ 139 a R$ 415,50, o dono do veículo precisa, ainda, pagar taxa de R$ 27,50 a R$ 120, a depender do peso bruto do automóvel, referente à diária.






Da redação do Blog do Léo Lima

Confederação Nacional de Municípios divulga lista de barragens em risco em Pernambuco. Confira a lista.

Vista aérea da barragem de Jucazinho.
Foto: Wilker Mattos


A lista atualizada de barragens que apresentam alto risco de rompimento no Brasil será atualizada até a próxima sexta-feira pela Confederação Nacional de Municípios (CNM).

Em Pernambuco, de um total de 477 reconhecidas pela Agência Nacional das Águas (ANA), 63 estão estão em perigo. Todas estão classificadas como de alto dano associado, ou seja, caso rompam, trarão alta destruição ambiental ou social. Três estão em cidades da Região Metropolitana do Recife.




Lista das Barragens em Alto Risco de Pernambuco:
Jucazinho, Surubim/ Cumaru
Chapeu, Parnamirim
Saco II, Santa Maria da Boa Vista
Pirapama, Cabo de Santo Agostinho
Algodoes, Ouricuri
Bom Sucesso, Tuparetama
Prata, Bonito
Saco I, Serra Talhada
Rosário, Iguaraci
Pão de Açúcar, Pesqueira
Pedro Moura Jr., Belo Jardim
Carpina, Lagoa do Carro
Poço Fundo, Santa Cruz do Capibaribe
Botafogo, Igarassu
Engenho Camacho, Ouricuri
Duas Unas, Jaboatão dos Guararapes
Lagoa do Barro, Araripina
Custódia, Custódia
Cachoeira II, Serra Talhada
Brotas, Afogados da Ingazeira
Arcoverde, Pedra
Boa Vista, Salgueiro
Jazigo, Serra Talhada
Arrodeio, São José do Belmonte
Engenho Gercino Pontes, Caruaru
Cursaí, Paudalho
Pau Ferro, Quipapá
Mororó, Pedra
Mundau I, Garanhuns
Caiçara, Parnamirim
Utinga, Ipojuca
São José II, Sao Jose do Egito
Pedra Fina, Bom Jardim
Juá I, Cabrobo
Tiúma, Timbauba
Simão, Petrolina
Parnamirim, Parnamirim
Camará, Bodocó
Manoel Rodrigues, Cabrobo
Poço Grande, Serrita
Gurjão, Capoeiras
Almas, Petrolina
Araripina, Araripina=
Juá II, Mirandiba
Chinelo, Carnaíba
Murici, Cabrobo
Cruzeiro, Sao Jose do Belmonte
Nilo Coelho, Terra Nova
Guilherme Azevedo, Caruaru
Jaime Nejaim, Caruaru
São Caetano, São Caetano
Bonito Grande, Bonito
Deserto, Petrolina
Serra dos Cavalos, Caruaru
Taquara, Caruaru
Vertente do Heráclito, Casinhas
Gatos, Lagoa dos Gatos
Barra Nova, Iati
Machado, Brejo da Madre de Deus
Barragem de terra Sitio Barriguda, Caetés
Duas Serras, Poção
Serro Azul, Palmares
Inhumas I, Palmeirina


quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Veja o que diz a lei e quais argumentos barraram a ida de Lula ao enterro do irmão

Foto: Ricardo Stuckert


Preso em Curitiba, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva somente foi autorizado a participar do velório do irmão, Genival Inácio da Silva, o Vavá, morto nesta terça-feira (29), momento antes de acontecer o enterro, em São Bernardo do Campo.

Por isso, o ex-presidente desistiu da viagem, permaneceu no Paraná e encontrará com seus familiares nesta quinta-feira (31) durante visita já programada na carceragem da Polícia Federal.

A decisão favorável ao petista, assinada pelo presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, ocorreu por volta das 12h40, cerca de 20 minutos antes do enterro e após uma sequência de decisões judiciais contrárias ao pedido dos advogados de Lula. 

A defesa recorreu ao STF, ao afirmar que esse é um direito humanitário do preso e está previsto “de forma cristalina” na Lei de Execução Penal.

Antes da decisão do STF, a Justiça Federal do Paraná e o TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região haviam entendido que a lei estabelece uma possibilidade, e não um direito, e consideraram que havia impossibilidade logística e riscos à integridade física de Lula e à ordem pública, conforme informou a Polícia Federal.

Leia abaixo os principais argumentos de cada parte.


O QUE DIZ A LEI


A Lei de Execução Penal, em seu artigo 120, prevê que condenados que cumprem pena em regime fechado ou semiaberto e presos provisórios “poderão obter permissão para sair do estabelecimento, mediante escolta, quando ocorrer um dos seguintes fatos: falecimento ou doença grave do cônjuge, companheira, ascendente, descendente ou irmão”.

A saída terá “a duração necessária à sua finalidade”, afirma a lei, e deve ser feita mediante escolta policial.

O texto da lei ainda diz que “a permissão de saída será concedida pelo diretor do estabelecimento onde se encontra o preso” –no caso de Lula, a superintendência da Polícia Federal em Curitiba. A decisão, portanto, é administrativa.

Mas, na prática, temendo repercussões negativas, os diretores costumam pedir autorização ou a chancela do judiciário, explica o advogado criminalista Alessandro Silvério. Por isso, as defesas peticionam diretamente ao juiz de execução penal, que ouve o estabelecimento prisional antes de decidir.

A permissão de saída para velórios e enterros de familiares é concedida de forma cotidiana e rotineira a presos em todo o país, segundo o advogado Alexandre Salomão, presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-PR. 


O QUE DECIDIU O SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL


O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, autorizou o ex-presidente a ir ao enterro de seu irmão Genival da Silva, o Vavá.

Pela decisão, Lula não teria podido ir ao cemitério nem ter acesso ao público que estava no enterro. Ele poderia se encontrar somente com familiares em uma unidade da polícia próxima do local do sepultamento, e sem direito a filmagens ou declarações públicas.

"Concedo ordem de habeas corpus de ofício para, na forma da lei, assegurar, ao requerente Luiz Inácio Lula da Silva, o direito de se encontrar exclusivamente com os seus familiares, na data de hoje, em Unidade Militar na Região, inclusive com a possibilidade do corpo do de cujos ser levado à referida unidade militar, a critério da família", decidiu Toffoli.

"Fica assegurada a presença de um advogado constituído e vedado o uso de celulares e outros meios de comunicação externo, bem como a presença de imprensa e a realização de declarações públicas."


QUAL FOI A DECISÃO DO TRF


Em decisão de segunda instância, o juiz federal Leandro Paulsen, na madrugada de quarta (30), reforçou que a saída do preso “tem de passar por juízos de razoabilidade e de proporcionalidade, como qualquer outro direito ou interesse”.

Para ele, a PF fez o possível para verificar a possibilidade de acolhimento do pedido, mas isso exigiria um enorme esquema de segurança, com custos ao Estado.

“Não é aceitável que, para assegurar a um preso o direito de participar do velório de um parente, se proceda a enormes gastos, mobilizando recursos materiais e humanos em profusão, da noite para o dia”, escreveu o desembargador.


O QUE DECIDIU A JUSTIÇA FEDERAL


A juíza Carolina Lebbos, responsável pela execução penal do ex-presidente, reconheceu que a lei confere aos presos o direito de pleitear a permissão de saída, mas que “outorga competência decisória ao diretor do estabelecimento penal, que poderá [destacou a juíza] conceder essa autorização”.

“Os direitos encontram limitações”, escreveu Lebbos. “Este Juízo não é insensível à natureza do pedido formulado pela defesa. Todavia, ponderando-se os interesses envolvidos no quadro apresentado, a par da concreta impossibilidade logística de proceder-se ao deslocamento, impõe-se a preservação da segurança pública e da integridade física do próprio preso.”

Ela fundamentou sua decisão em ofício da Polícia Federal, que, administrativamente, negou a permissão de saída a Lula. Para ela, a PF fundamentou “suficiente e adequadamente a impossibilidade logística” de se fazer o deslocamento até São Bernardo do Campo.


QUAIS SÃO OS ARGUMENTOS DA PF


O superintendente da Polícia Federal em Curitiba, Luciano Flores, afirmou ter feito análises de risco e consultado a Diretoria de Inteligência da PF, bem como a secretaria de Segurança Pública de São Paulo. A conclusão é que não seria possível promover o deslocamento e escolta de Lula até São Bernardo do Campo garantindo a integridade do ex-presidente, bem como a ordem pública.

Entre os problemas apontados pelo órgão, estão a ausência de helicópteros que fizessem o transporte do ex-presidente até São Paulo (já que, segundo a PF, os helicópteros do órgão que não estão em manutenção estão sendo usados no resgate de vítimas em Brumadinho), a ausência de policiais militares e federais disponíveis para “garantir a ordem pública e a incolumidade tanto do ex-Presidente quanto dos policiais e pessoas ao seu redor” e as possibilidades de fuga, atentados contra Lula, comprometimento da ordem pública e protestos contra e a favor do petista.

A possibilidade de um avião levar o ex-presidente até Congonhas, e de lá até São Bernardo do Campo, também foi aventada. Mas, segundo a PF, a aeronave teria que sair de Brasília para buscar Lula em Curitiba. Depois, uma escolta levaria o preso de carro até o local do velório.

Isso tomaria no mínimo oito horas, e só poderia ser feito, “por questões de segurança”, a partir da manhã desta quarta (30) –como o enterro está marcado para as 13h, não haveria tempo hábil para o deslocamento.

Já o secretário da Segurança de São Paulo, general João Camilo Pires de Campos, foi “enfático em responder que não haveria condições de se garantir a incolumidade do ex-presidente e a tranquilidade da cerimônia fúnebre”, segundo informou a superintendência da PF em São Paulo.


O QUE DISSE O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL


Em parecer enviado à Justiça, a Procuradoria considerou que “a permissão de saída não se confunde com direito do preso”, e afirmou que há um “insuperável obstáculo técnico” para que se cumpra o pedido.

“O custodiado não é um preso comum, e a logística para realizar a sua escolta depende de um tempo prévio de preparação e planejamento”, afirmaram os procuradores.

O documento ainda menciona os protestos contra a decisão judicial que condenou Lula, e diz que “a conduta do apenado e de seus simpatizantes transcende ao exercício do direito de expressão, trazendo elevado grau de insegurança quanto ao deslocamento, fazendo com que se conclua que a saída temporária pretendida não se dará de forma tranquila, segura, ordeira e pacífica”.

A Procuradoria Regional da República em Porto Alegre reforçou os argumentos ao TRF-4, dizendo que era “necessário aferir, em cada caso concreto, a presença e plena garantia das condições de segurança do preso e dos agentes públicos”.


O QUE ARGUMENTOU A DEFESA DE LULA


Os advogados afirmam que a permissão de saída é um direito humanitário, previsto "de forma cristalina" na Lei de Execução Penal.

Para eles, a negativa desse direito é um constrangimento ilegal a Lula.

A defesa ainda fundamentou o pedido na proteção constitucional dada à família, e disse que a Constituição reconhece a dignidade do preso enquanto pessoa humana, com tratamento isonômico, comunicação com o mundo exterior e manifestação de pensamento.

Os advogados lembraram que, mesmo na ditadura militar, quando ficou preso após liderar uma greve, Lula recebeu autorização da Justiça para ir ao velório de sua mãe, em 1980.

“Gritante o fato de que, no seio de uma ditadura militar, que maculou a história da frágil democracia nacional, foi reconhecido o direito aqui vindicado. Assim, questiona-se: ainda estamos em um Estado Democrático de Direito, em sua acepção material? Ou é mero formalismo inscrito em nossa Carta Magna”, escreveu a defesa, em recurso ao STF.








Fonte: Folha de São Paulo

Com salário parcelado, bombeiros chegam a nadar na lama em MG

Foto:Pedro Ladeira/Folhapress
Com lama até o pescoço, os bombeiros militares que atuam no resgate de vítimas do rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho (MG), são protagonistas de um resgate sob condições extremas.
Em cinco dias, a equipe encontrou 84 corpos e localizou 192 pessoas com vida. Há ainda 276 estão desaparecidas, algumas das quais jamais serão encontradas, segundo afirmou o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

Para que esse número seja o menor possível, os bombeiros chegam a ficar até dez horas seguidas na chamada "área quente", onde se concentram os mortos e os destroços da tragédia. O período de descanso entre uma missão e outra é de seis horas.

São, ao todo, 436 militares que dormem em acampamentos, pousadas e escolas: 220 mineiros, 136 israelenses e 80 de outros estados.

"A lama é um dos materiais mais difíceis do mundo em se fazer resgate", explica o tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais.

Por ser líquida, ela preenche todos os lugares, acabando com a possibilidade de bolsões de ar, que podem ocorrer em casos de desmoronamentos. E é pior do que água, por ser mais densa. O impacto ao atingir as pessoas causa lesões severas —por isso os bombeiros às vezes recolhem apenas parte de corpos.

A convivência diária com a tragédia pode abalar o emocional dos militares. Em Brumadinho, há psicólogos para acompanhá-lo. Até agora, não precisaram de atendimento diferenciado. "Se qualquer um detecta que o companheiro está apresentando sintoma de estresse pós-traumático ou burn out, que geralmente são as doenças mentais que mais acometem os bombeiros, ele já pode solicitar acompanhamento específico."
Foto: Washington Alves/Reuters

Aihara informou também que todos os bombeiros em Brumadinho estão catalogados para que, ao retornarem, passem por entrevistas para avaliação de como reagiram.

A situação dos profissionais em Minas tem ainda um agravante. Desde 2016, o estado decretou calamidade financeira e vem parcelando o salário do funcionalismo público. Os militares atuando em Brumadinho também não receberam o 13º, que será pago em 11 parcelas ao longo do ano.

Além da grave crise fiscal, o estado possui outra especificidade. Segundo Aihara, a tradição da mineração fez com que os bombeiros se especializassem em situações como essa vivida em Brumadinho.

"A realidade de Minas em relação à barragem e à exploração de minério, nesta intensidade, só existe aqui. O número de barragens aqui é enorme", diz Aihara. "Pela própria experiência e por esse tipo de acidente já ter acontecido várias vezes, em escalas menores, já é um tipo de ocorrência que estamos acostumados. A gente desenvolveu um curso específico dentro dos Bombeiros para isso", completa.

Na tragédia de Mariana (MG), de 2015, os bombeiros conseguiram resgatar mais de 70% dos corpos, o que é considerado bom pelo padrão internacional. "Se a gente atingir um índice parecido aqui já vai ser um trabalho de grande sucesso", afirmou.

O trabalho com rejeito de minério é peculiar. Além do curso de salvamento em soterramentos, enchentes e inundações, feito para atuação nesse tipo de cenário, os bombeiros utilizam técnicas de busca e resgate em estrutura colapsada e cães farejadores.

"O cão é treinado num conceito de binômio, sempre o militar e o cão. Esse binômio é sempre fixo, porque é um resultado de um trabalho de vários anos", diz Aihara.

O bombeiro perfura a lama para que o cheiro emane para a superfície —é a técnica chamada de cone de odor. Então, o cão fareja e identifica se há corpos no local.

Os bombeiros de Brumadinho estão sujeitos também ao esgotamento físico, por andar longas distâncias, muitas vezes carregando equipamentos pesados. Deslocar-se na lama, porém, é um desafio.

"Às vezes eles têm que literalmente nadar na lama", diz Aihara. Para distribuir a pressão sobre o terreno e evitar afundar, os profissionais rastejam. Também trabalham amparados por cordas e dispondo tapumes e madeira pelo chão para estruturar um caminho no pântano.

A roupa de mergulho, de neoprene, dá mais flexibilidade, tem menor aderência e evita a hipotermia, já que a lama é fria.





Fonte: UOL

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

Governo anuncia fiscalização em 3.300 barragens de alto risco; não há prazo





O Governo Federal vai concentrar a fiscalização em 3.300 barragens pelo Brasil, informou nesta terça-feira (29) o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, após reunião ministerial no Palácio do Planalto sobre o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG).

Segundo ele, essas 3.300 estruturas são classificadas como de alto risco. Dentre elas, cerca de 200 barragens abrigam resíduos de mineração e, por sua vez, 70 destas são de barragens a montante (são aquelas nas quais os degraus que as compõem são feitos com o material de rejeito). São mais baratas, mas menos seguras. As barragens de Brumadinho e Mariana eram desse modelo.

"Hoje, no Brasil, temos mais de 20 mil barragens cadastradas. Dessas 20 mil barragens, 3.386 são classificadas com dano potencial associado alto ou risco alto. Essas são as barragens que a resolução, neste momento, colocou como prioridade para que fosse reforçada a fiscalização porque entendemos que estas são o foco inicial. Não temos condições de avaliar e fiscalizar todas ao mesmo tempo. Há necessidade que priorizemos", afirmou.

"De [barragens] rejeitos minerais, são 205 barragens segundo o relatório de segurança feito pela ANA [Agência Nacional de Águas] que estão na situação de dano potencial associado alto ou risco alto. Essas, evidentemente, serão priorizadas pelo MME, como pelos demais órgãos fiscalizadores", disse.

O ministro informou que os trabalhos começarão imediatamente por meio dos órgãos fiscalizadores, mas não há prazo para término. Ele informou que, provavelmente, nem todos terão funcionários suficientes para a realização da tarefa, no entanto, o governo federal poderá remanejar engenheiros de outros órgãos para auxiliá-los. Mais recursos financeiros também poderão ser deslocados, se necessário, informou.

"Não tem como precisar [um prazo] porque é uma diretriz de que seja feito o mais rápido possível. É um trabalho que precisa ser feito com muita cautela. Mais do que cumprir número, é garantir que aquelas que foram vistoriadas estejam com a informação correta", falou.
Vale se compromete a desativar barragens de alto risco

De acordo com informação passada pelo governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), ao ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque, a Vale se comprometeu a desativar todas as suas barragens a montante, se possível.


"A Vale informou que vai desativar, segundo o governador de Minas Gerais, as suas barragens a montante. E aquilo que não for possível desativar, serão feitas barragens de contenção a fim de evitar acidentes como ocorrido na última sexta-feira. Vou ter uma reunião com a Vale e vou ter melhores informações acerca do que a empresa pretende fazer."


Nas estruturas que não poderão fazê-lo, a mineradora teria se comprometido a construir novas barragens de contenção a fim de evitar acidentes ocorrido como o de sexta-feira. O ministro informou que se reunirá nesta terça com representantes da Vale para se inteirar melhor das intenções da empresa.


Impedir estruturas próximas às barragens

Outra intenção do governo federal é que a construção nas áreas mais próximas à estrutura das barragens que contém os rejeitos seja limitada.

No caso de Brumadinho, o refeitório e a área administrativa se situavam embaixo da barragem, no caminho dos rejeitos. Assim, as pessoas nesses locais não tiveram tempo hábil de fugir.

Canuto afirmou que o entendimento do governo é de que seja permitida nada "além do estritamente necessário ao funcionamento da mina".

Lei de 2010 que instituiu a Política Nacional de Segurança de Barragens e criou o Sistema Nacional de Informações sobre Segurança de Barragens afirma que os planos de segurança apresentados pelas empresas interessadas antes da construção das barragens devem trazer a "indicação da área do entorno das instalações e seus respectivos acessos, a serem resguardados de quaisquer usos ou ocupações permanentes, exceto aqueles indispensáveis à manutenção e à operação da barragem".


Em resolução publicada nesta terça no Diário Oficial da União, o governo federal determinou que os órgãos fiscalizadores avaliem imediatamente a necessidade de remover estruturas já existentes em áreas que possam vir a ser afetadas por futuros rompimentos de barragens.





Fonte: UOL

segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

Comerciante captura cobra em área alagada após chuva no Centro do Recife

Foto: Reprodução / Whatsapp

Uma cobra foi capturada por comerciante no Camelódromo, Centro do Recife.

O animal estava em uma área alagada após a forte chuva que caiu nesta segunda-feira (28) em toda Região Metropolitana e capital pernambucana.

A serpente foi levada pela Policia Militar para o Centro de Triagem de Animais Silvestres de Pernambuco (Cetas Tangara), que fica no bairro da Guabiraba, na Zona Norte do Recife.


Da Redação do Blog do Léo Lima

Cirurgia de Bolsonaro termina 'com êxito', diz Planalto

Foto: TWITTER/JAIR BOLSONARO / Estadão Conteúdo


Terminou por volta das 15h30 desta segunda-feira (28) a cirurgia do presidente Jair Bolsonaro (PSL) para retirada de uma bolsa de colostomia, segundo a assessoria de imprensa do Palácio do Planalto. O procedimento foi realizado no Hospital Israelita Albert Einstein, na zona sul de São Paulo, e durou cerca de nove horas.

De acordo com o Planalto, a cirurgia foi realizada com "êxito". "O boletim médico será divulgado tão logo seja autorizado pela equipe médica", diz o comunicado da assessoria. Há uma entrevista coletiva programada para as 17h.



Fonte: Terra

Sobe para 60 o número de mortos em Brumadinho (MG); 292 estão desaparecidos

Reprodução / Ag. Brasil

Subiu para 60 o número de mortes confirmadas em decorrência do rompimento da barragem em Brumadinho (MG), na sexta-feira (25). O novo boletim foi divulgado por volta das 10h30 (horário de Brasília) pelo Corpo de Bombeiros, que também reúne informações conjuntas da Defesa Civil, Polícias Militar e Civil.

Ao todo, 292 pessoas continuam desaparecidas, 192 foram resgatadas e 19 corpos já foram identificados. Os corpos que são resgatados são encaminhados para o IML para identificação. "Os óbitos contabilizados são os que o bombeiro localiza, faz o resgate e caminha para o IML. ", afirmou tenente coronel Flavio Godinho, porta-voz da Defesa Civil de Minas Gerais.

Godilho disse ainda que todas as instituições estão trabalhado para que haja ainda hoje uma lista unificada com os nomes das vítimas. "A duplicidade de listas traz desconforto para as famílias. Isso é preocupante porque está aparecendo listas não oficiais informando ao ente que a vítima ainda está desaparecida e outras mostrando que ela já foi localizada. Os órgãos têm o zelo de fazer uma lista oficial e, por isso, a demora na captação dos nomes", disse.

O porta-voz do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, tenente Pedro Ahairara, detalhou a atuação dos bombeiros e dos militares israelenses nos trabalhos de busca. As primeiras tropas estrangerias chegaram na manhã de hoje ao local e estão utilizando rasteadores de sinais de celular e sonares para encontrar corpos e sobreviventes.

"As chances [de encontrar sobreviventes] são muito pequenas por causa das características do desastre, que são diferentes de desabamentos, situações em que há bolsões de ar. Nessa característica de lama, isso é muito difícil de acontecer, mas trabalhamos com toda a possibilidade", disse.

Ele rebateu críticas sobre a falta de celeridade no trabalho das equipes de resgate. 'A gente entende a angustia dessas famílias, mas é uma área de 10 km linear e mais de 4 km², e alguns milhões de rejeitos de minério. Um trabalho rápido, por mais que a gente se esforce, não é possível de ser feito na agilidade que as famílias querem porque o tipo de operação demanda uma série de peculiaridades", afirmou.

Ahirara disse ainda que as autoridades estão cobrando o máximo de suporte às vitimas, mas essa "é uma operação de guerra que demanda esforços e compreensões de todas as partes".





Fonte: Uol

domingo, 27 de janeiro de 2019

Bombeiros confirmam 58 mortos em Brumadinho; 305 estão desaparecidos

Foto: REUTERS


O Corpo de Bombeiros confirmou que 58 pessoas morreram em decorrência da queda da barragem 1 do complexo Mina do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ônibus foi encontrado na noite deste domingo, mas ainda não há mais informações sobre quantas pessoas estavam dentro do veículo.

"Não sabemos a quantidade de corpos ainda, mas os trabalhos estão sendo feitos. Por conta desse fato, vamos estender as buscas neste domingo", afirmou o tenente-coronel Flávio Godinho, da Defesa Civil de Minas Gerais.

Segundo a corporação, 305 pessoas estão desaparecidas. O número aumentou por que famílias cadastraram mais pessoas durante este domingo.

Buscas retomadas

Após a Defesa Civil descartar o risco de um novo rompimento de outra barragem do complexo da Mina do Feijão, as buscas foram retomadas na região. As pessoas que foram retiradas de suas residências poderão voltar para suas casas, segundo afirmou o tenente-coronel da Defesa Civil, Flávio Godinho.

O porta-voz do Corpo de Bombeiros Pedro Aihara afirmou que, apesar da interrupção das buscas nesta manhã, ainda existe a chance de encontrar sobreviventes. "Existe a possibilidade de encontrar pessoas com vida. A medida que o tempo passa, a chance diminui. Mas sabemos que ainda assim é possível encontrar pessoas vivas", disse Aihara.

Sirenes e evacuação

Durante o dia, moradores de quatro regiões, incluindo o centro de Brumadinho, foram retirados de suas casas por risco de rompimento iminente da barragem. Minutos antes de anunciar a retomada das buscas, o próprio Godinho e o representante do Corpo de Bombeiros informaram que ao menos 3 mil pessoas seriam evacuadas. No total, segundo as primeiras avaliações das autoridades, ao menos 24 mil pessoas estariam em áreas de risco.

Por volta das 5h30 da manhã, sirenes tocaram em Brumadinho pedindo para que os moradores buscassem regiões mais altas da cidade. Durante toda a manhã, autoridades pediram para que a população buscasse três pontos seguros: uma igreja no centro da cidade, o quartel policial e o morro do Querosene.

O espaço aéreo da região, a partir deste domingo, ficará fechado para aeronaves em geral por determinação da Aeronáutica. O objetivo é facilitar ações de resgate. "Somente aeronaves envolvidas nas ações de resgate podem sobrevoar o local", disse o porta-voz dos Bombeiros.




Fonte: UOL

Alerta! Brumadinho tem risco iminente de novo rompimento; comunidades são evacuadas

Foto: valeinformar.valeglobal.net

O Corpo de Bombeiros afirmou, que existe "risco iminente" de rompimento de outra barragem em Brumadinho (MG). Por volta das 8h, equipes faziam a evacuação das comunidades Córrego do Feijão e Tejuco, que ficam próximas à barragem 6, também pertencente à Vale.

Segundo o porta-voz da corporação, tenente Pedro Aihara, a barragem possui água e fica próxima à que cedeu na sexta-feira (25). Caso ocorra o rompimento, a água poderia levar cerca de 30 minutos para alcançar o centro de Brumadinho. Aihara pediu que a população das áreas baixas e do centro da cidade seguisse para três pontos seguros: a Igreja Matriz, no centro de Brumadinho, o morro do querosene e para a delegacia de polícia. No total, cerca de 24 mil pessoas podem ser afetadas.

A barragem estava sendo drenada pela Vale para evitar uma nova ruptura desde a noite de sábado, quando as buscas foram interrompidas. O monitoramento está sendo feito a cada uma hora, juntamente com a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros.

Em nota, a Vale informou que acionou as sirenes às 5h30 "ao detectar aumento dos níveis de água nos instrumentos que monitoram a barragem 6". Enquanto a sirene tocava, um alto-falante pedia para que a população buscasse áreas mais altas da cidade.

Uma das regiões que está sendo evacuada tem cerca de 25 casas --os moradores do bairro Parque das Cachoeiras foram levados para áreas mais altas dentro da própria comunidade-- a medida está prevista no plano de emergência de barragens. Não há informações sobre o número de casas ou de pessoas que estão sendo retiradas das outras áreas de risco.

A B6, como é conhecida a barragem ameaçada do complexo da Vale no Córrego do Feijão, tem capacidade para 1 milhão de metros cúbicos, segundo documento da Vale. Segundo o Corpo de Bombeiros, porém, engenheiros da empresa informaram no sábado que a barragem teria de 3 a 4 milhões de metros cúbicos de água. A que rompeu na sexta-feira tinha capacidade para 12 milhões de metros cúbicos de rejeitos. O papel da B6 é a recirculação de água.

A nota da empresa diz ainda que "a Vale continuará monitorando a situação, juntamente com a Defesa Civil".

As buscas a vítimas do rompimento da barragem tinham sido interrompidas às 20h deste sábado, por medida de segurança, justamente para a drenagem. A operação seria retomada às 4h deste domingo, mas as buscas foram adiadas, já que as equipes estão priorizando a retirada das famílias na área de risco.

Ainda segundo o tenente Aihara, o espaço aéreo da região, a partir de hoje, ficará fechado para aeronaves em geral por determinação da Aeronáutica. O objetivo é facilitar ações de resgate. "Somente aeronaves envolvidas nas ações de resgate podem sobrevoar o local", disse o porta-voz.

37 mortos e 296 desaparecidos

O último balanço divulgado pelas autoridades nesta manhã confirma a morte de 37 pessoas e o resgate de 192 pessoas. Neste domingo, não foi informado o número de desaparecidos --na noite de sábado, os bombeiros informaram que 296 pessoas estariam desaparecidas.

Para auxiliar o trabalho de busca por vítimas, a Justiça mineira conseguiu uma liminar obrigando empresas de telefonia a fornecer dados sobre sinal dos celulares de pessoas que estavam na região da barragem.

Com o novo número de mortos, a queda da barragem em Brumadinho na sexta-feira já fez mais vítimas que o desastre ambiental de Mariana, em 2015, que deixou 19 mortos.




Fonte: UOL