WEB RÁDIO

sexta-feira, 15 de março de 2019

Professor entra armado na Secretaria de Educação do DF e é preso

Homem entra na Secretaria de Educação do DF com besta, faca e dardos -
Foto: Divulgação/PMDF

Um professor de 53 anos entrou no prédio da Secretaria de Educação do Distrito Federal (DF) com uma faca, dardos e uma besta, mesmo tipo de arma usada pelos jovens envolvidos no atentado na Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano (SP). O homem foi preso e encaminhado à 5º Delegacia de Polícia do DF. De acordo com a Polícia Militar, não houve feridos.
Segundo a PM, o homem chegou à secretaria dizendo que queria uma conversa com o Secretário de Educação, Rafael Parente. A segurança chamou a Polícia Militar, porque o homem estava muito alterado.
Policiais chegaram ao local e abordaram o professor. Em nota, a PM diz que o homem ofereceu resistência, mas os policiais conseguiram imobilizá-lo. Dentro da mochila dele foram encontrados uma faca Imbel, uma besta e três dardos. "O homem alegou que queria encontrar o secretário, que queria mostrar esses armamentos, depois iria cometer suicídio", informa o comunicado.
De acordo com a Secretaria de Estado de Educação do DF, o professor subiu até a assessoria do gabinete, no 12ª andar. "Funcionários perceberam o cabo da besta para fora da mochila que ele carregava e acionaram a PM. Dois policiais chegaram rapidamente e o renderam", diz também em nota. O professor não chegou a utilizar as armas.
Pelo Twitter, Rafael Parente disse que o governador em exercício, Paco Britto, determinou o afastamento imediato do professor e a abertura de processo administrativo disciplinar (PAD) contra ele. Nem a Secretaria de Educação nem a PM confirmaram, até o momento, a identidade do homem.
Também na rede social, o secretário de Educação diz que registrou alguns casos de ameaças de alunos. "A Secretaria de Segurança e toda a inteligência do GDF [governo do Distrito Federal] já estão em ação, dentro de algumas escolas e à paisana".



Fonte: Agência Brasil

quarta-feira, 13 de março de 2019

Atiradores de massacre em Suzano eram ex-alunos e morreram ao encontrar PMs


A polícia confirmou, na tarde de hoje, que os atiradores que abriram fogo dentro de uma escola em Suzano (Grande São Paulo)   eram ex-alunos do colégio. Ao menos 10 pessoas morreram no ataque, entre elas os dois atiradores.
Segundo João Camilo Pires de Campos, secretário de Segurança Pública de São Paulo, os acusados Guilherme Taucci Monteiro, 17, e Luiz Henrique de Castro, 25, haviam estudado na Escola Estadual Raul Brasil.
"Antigos alunos deste colégio fizeram uma ação preliminar em uma locadora, onde atiraram em um senhor chamado Jorge Antônio Moraes, roubaram um Onyx branco e seguiram para essa escola", afirmou o secretário.
Segundo ele, Guilherme estudava no colégio até o ano passado. Ele não informou até quando Luiz Henrique foi matriculado na escola. Ainda não se sabe o que motivou o crime.
Os outros mortos são:
  • Pablo Henrique Rodrigues (aluno, morreu na escola
  • Cleiton Antônio Ribeiro (aluno, morreu na escola)
  • Caio Oliveira (aluno, morreu na escola)
  • Samuel Melquíades Silva de Oliveira (aluno, morreu na escola)
  • Douglas Murilo Celestino (aluno, morreu a caminho do hospital)
  • Marilena Ferreira Vieira Umezo (coordenadora, morreu na escola)
  • Eliana Regina de Oliveira Xavier (agente de organização escolar, morreu na escola)
  • Jorge Antônio Moraes (funcionário da loja de carros, morreu no hospital)

O caminho dos atiradores

O secretário relatou que após roubarem o carro e partirem para a escola, os atiradores entraram no colégio pela porta da frente. Inicialmente, eles atiraram nas duas funcionárias que estavam na entrada. Em seguida, deram sequência aos tiros.
Acionada após o assalto na loja de veículos, uma equipe de policiais perseguiu o carro branco roubado e também chegou à escola.
Segundo o secretário, quando os atiradores chegaram ao fundo da escola, depararam-se com uma equipe do GATE (Grupo de Ações Táticas Especiais). Neste momento, foram ouvidos dois disparos. O secretário diz que a polícia não descarta a hipótese de que um dos atiradores tenha disparado contra o outro antes de se suicidar.

Luiz Henrique de Castro, um dos autores do massacre em Suzano            Imagem: Reprodução/Governo do Estado de São Paulo

Dúvidas sobre motivação
Pires de Campos disse ainda que a polícia não sabe o que motivou o crime. "É essa a grande busca: qual foi a motivação desses antigos alunos", afirmou.
Segundo ele, Guilherme, o ex-aluno mais novo, tinha um histórico de ter saído da escola "antes da hora". O secretário não soube dizer se o ex-aluno havia sido expulso e afirmou apenas que a saída aconteceu por "problemas".   

Tiros deixam 8 mortos em escola de Suzano (SP)


Cinco crianças e um funcionário foram mortos nesta manhã na escola estadual Professor Raul Brasil, em Suzano, na região metropolitana de São Paulo, após duas pessoas encapuzadas, aparentemente adolescentes, entrarem atirando no local, segundo informações são da Polícia Militar. Os dois atiradores cometeram suicídio, após efetuarem vários tiros.
Ao menos 17 pessoas estariam feridas e estão sendo levadas para hospitais da região.
Dez adolescentes foram levados para o Hospital Santa Maria, que fica a 300 metros da unidade de ensino. Outros feridos foram levados para a Irmandade da Santa Casa de Misericórdia, também em Suzano. Ainda não há informações sobre seus estados de saúde.
"Dois encapuzados entraram na escola Raul Brasil, aparentemente dois adolescentes, eles se mataram. Efetuaram diversos disparos. [Há] cinco crianças em óbito e um funcionário", afirmou Cibele Marsolla, do Corpo de Bombeiros.
Dois helicópteros Águia e três unidades do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foram deslocados para o local. Os bombeiros também enviaram seis unidades de resgate. O governador de São Paulo, João Doria, cancelou a sua agenda prevista para a tarde de hoje e foi para o local acompanhar os trabalhos de resgate e atendimento aos feridos.
A escola fica bem em frente a uma Igreja Messiânica Mundial. O funcionário do templo religioso Marcos Filho contou ao UOL que os tiros foram ouvidos após às 9h, durante o intervalo dos alunos.
"A minha esposa estava aqui de manhã, ela ouviu vários tiros vindos da escola. Nós ficamos bem em frente ao prédio da escola. As crianças começaram a correr", contou.
Nesse momento, segundo ele, a igreja está tentando prestar assistência a quem chega ao local. "Tem muito bombeiro aqui, muita polícia, helicópteros sobrevoando. Não dá para saber quem é pai e mãe querendo saber dos filhos e quem é curioso", disse.

Perfil da escola

A Escola Estadual Raul Brasil fica na rua Otavio Miguel da Silva, no bairro Parque Suzano. Segundo o o Censo Escolar 2017, a unidade de ensino tem 105 funcionários e 1.067 alunos. Os estudantes são do 5º a ano ao ensino médio, sendo a maioria alunos de ensino médio.



Mais informações em instantes
Fonte:UOL

terça-feira, 12 de março de 2019

ANS suspende venda de 46 planos de saúde no país, confira a lista.



Por conta de uma determinação da Agência Nacional de Saúde Suplementar, a ANS, a partir de agora, 46 planos de saúde não poderão ser vendidos ou receber novos clientes em todo o país.
De acordo com o diretor de Normas e Habilitação dos Produtos da ANS, Rogério Scarabel, a medida é temporária e acompanha os resultados trimestrais do Programa de Monitoramento da Garantia de Atendimento, que é um programa que monitora o desempenho do setor e atua na proteção do beneficiário.
“O Monitoramento da Garantia de Atendimento é um programa da ANS, que avalia as operadoras de planos de saúde, a partir das reclamações registradas pelos clientes nos canais da agência. O objetivo do programa é sempre estimular as empresas a qualificarem o atendimento prestado aos consumidores. Os planos são suspensos temporariamente pela agência e só podem voltar a ser comercializados quando forem comprovadas as melhorias”, afirmou o diretor.
Neste ciclo, a ANS determinou que fossem suspensos, de forma temporária, a comercialização de planos de 13 operadoras por conta de reclamações assistenciais como: prazo máximo de atendimento, cobertura assistencial, rede de atendimento, entre outras.
Juntos, os planos atendem cerca de 570 mil beneficiários, que ficam protegidos com a medida e têm mantida a garantia à assistência regular.
Além disso, em paralelo com esta suspensão, a ANS liberou a comercialização de sete planos de saúde de duas operadoras, que haviam sido suspensos em ciclos anteriores.

segunda-feira, 11 de março de 2019

"Blitz da Oposição" encontra rato, barata e até escorpião no Otávio de Freitas




Em nova blitz da oposição, desta vez ao Hospital Otávio de Freitas, o grupo de deputados encontrou novas surpresas e velhos costumes. Participaram da blitz, o líder da oposição, deputado Marco Aurélio (PRTB), a deputada Clarissa Tércio PSC) e os deputados Antonio Coelho (DEM), William Brigido (PRB) e João Paulo Costa (AVANTE).

As pessoas mudam mas as cenas bizarras se repetem e novas aparecem. Parece mentira mas assim como no Hospital Agamenon Magalhães, apenas uma cadeira de banho quebrada para todos os funcionários da emergência.

“Pacientes com doenças comuns misturados com pacientes tuberculosos, inclusive foi nos dado máscaras pelas enfermeiras e fomos alertados pelo risco que estávamos correndo”, informou Marco Aurélio.

O parlamentar William Brigido alertou indignado: “funcionários terceirizados continuam a três meses sem receber”.

O deputados João Paulo Costa afirmou que o quadro não é diferente dos outros hospitais que foram visitados pelos parlamentares da Blitz. Já Clarissa Tércio relatou: “vi mães com filhos a mais de 15 dias esperando para que seus filhos tivessem seus braços operados por conta de fraturas , vi uma criança ser liberada após dez dias de espera sem ser operada, mas o que mais me assustou foi o testemunho de uma mãe cujo filho chegou com um simples problema respiratório e hoje está no isolamento na UTI com um quadro de infecção generalizada”.

“É lamentável o cinismo e a cara de pau do governo. Novamente uma cadeira quebrada para todos de uma emergência tomar banho, ver o estado degradante dos banheiros e mistura de pacientes com doenças ou traumas comuns misturados com portadores de tuberculose, episódios que já havíamos denunciados antes é a prova que o governo tá se lixando pro povo e pra saúde pública”, disse Marco Aurélio.

Mas a novidade do Otavio de Freitas, que não havia sido relatado aos deputados em outras visitas, foi que durante a noite, ratos, baratas e escorpiões disputam espaços com as crianças no setor de trauma.

“Houve também o relato de um sapo 'cururu' que visita os pacientes a noite emitindo seu som brejeiro mas não o vimos. E para completar o hospital não possui lençóis cada paciente que leve o seu. Esse foi mais um hospital administrado pelo PSB que diz que a saúde está bem, pra quem não sei , mas com certeza não é pro povo”, conclui Marco Aurélio.