WEB RÁDIO

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Coronavírus dura 7 dias em máscaras; veja quanto ele vive nas superfícies




Nova pesquisa divulgada por cientistas da faculdade de medicina da Escola de Saúde Pública da Universidade de Hong Kong apontou que o novo coronavírus tem uma alta sobrevida, de até 14 dias, quando submetido a baixas temperaturas. Esse prazo cai bastante conforme a temperatura sobe, mas o que chama a atenção é que o SARS-CoV-2 (ou HCoV-19) se mantém ativo por mais tempo em máscaras cirúrgicas e utensílios de aço inoxidável, como maçanetas.


Os pesquisadores chineses mensuraram qual o grau de estabilidade do vírus causador da Covid-19 em diferentes condições para tentar determinar o nível de contaminação indireta, ou seja, por meio do contato com objetos infectados.

Anteriormente, pesquisadores do Instituto Nacional de Saúde (NIH) dos Estados Unidos e das universidades de Princeton e da Califórnia em Los Angeles (UCLA), ambos dos Estados Unidos, já haviam publicado estudo no "The New England Journal of Medicine" sobre a duração do coronavírus em papelão, plástica e metal inoxidável.






     
   
              


O estudo chinês ressalta que:
"Surpreendentemente, um nível significativo de vírus infeccioso ainda pode ser detectado na camada externa de uma máscara cirúrgica no dia 7, indicando que o SARSCoV-2 é extremamente estável nessa superfície"
O que se sabe até agora é que o vírus precisa de um hospedeiro para se multiplicar e fica muito vulnerável fora do organismo, ou seja, o nível de infecção vai caindo ao longo do tempo. Para os pesquisadores chineses, a infecção por contato indireto "não está clara", enquanto os americanos consideraram-na "plausível", embora faltem mais estudos.
A via de transmissão mais importante do novo coronavírus através de gotículas e outras secreções que saem do trato respiratório superior (boca e nariz) de uma pessoa doente ou assintomática, que atingem as mucosas (olhos, nariz e boca) de outras pessoas, causando a doença. A transmissão poderia ocorrer também pelo contato das mãos com superfícies contaminadas com o vírus, que pode ser transferido para os olhos, nariz e boca, mas ainda não está claro qual o grau de contaminação.
Nos surtos anteriores causados pelos coronavírus SARS-CoV e MERS-CoV, não houve transmissão dos vírus pelos alimentos.


Fonte: Fabiana Uchinaka / Tilt - Uol                                                                                                        



                   



  

Nenhum comentário:

Postar um comentário