WEB RÁDIO

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021

Marinha do Brasil e Polícia Federal realizam ações de cooperação internacional para interceptar embarcação carregada com cocaína



A Marinha do Brasil (MB) e a Polícia Federal (PF) informam que, em coordenação com o Centro de Análise e Operações Marítimas – Narcótico (MAOC-N), sediado em Lisboa, Portugal, o Drug Enforcement Administration (DEA/EUA) e o National Crime Agency (NCA/Reino Unido), interceptaram, neste domingo (14), uma embarcação carregada com cocaína em águas jurisdicionais brasileiras.

A operação é decorrente da troca de informações entre as agências, com a identificação do transporte de grande quantidade de cocaína em um veleiro catamarã que teria partido do Brasil com destino a Europa.

As ações envolveram pessoal e material da PF e da MB, com o emprego do Navio-Patrulha Oceânico (NPaOc) Araguari, que realizou a interceptação e apreensão da embarcação a cerca de 270 quilômetros da costa de Recife. No interior da embarcação, foram presos cinco tripulantes brasileiros, que serão conduzidos para a Superintendência da Polícia Federal no Estado de Pernambuco para os procedimentos de Polícia Judiciária.

Visando a resguardar a materialidade delitiva, a embarcação que carregava os entorpecentes está sendo conduzida pelo NPaOc “Araguari”, com o auxílio de policiais federais do Grupo de Pronta Intervenção (GPI), que participaram desde o início das ações.

Trata-se de operação relevante, com a utilização, pela Marinha do Brasil, de um Navio-Patrulha Oceânico para ação conjunta com a Polícia Federal na interceptação de embarcações utilizadas para o narcotráfico.

A ocorrência reforça diretrizes dos órgãos responsáveis pelo combate a crimes transnacionais no País quanto à mútua cooperação e troca de informações com outras instituições internacionais, visando à identificação de grandes organizações criminosas que atuam no Brasil.

O evento também realça a efetividade e a importância no aprimoramento do Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul, cuja missão de monitorar e controlar os 5,7 milhões de quilômetros quadrados das águas jurisdicionais brasileiras requer intensa e contínua integração.

Após os procedimentos de Polícia Judiciária serão apresentados os dados finais da operação, sobretudo a quantidade de entorpecentes apreendidos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário