Parceiro

terça-feira, 5 de julho de 2022

Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora do Jaboatão é referência no Estado

 

Foto: Leandro de Santana/PJG

Implantado pela Prefeitura do Jaboatão dos Guararapes há dois anos, o Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora (Safa) vem sendo referência em Pernambuco, no atendimento e acompanhamento de crianças e adolescentes que têm seus direitos violados. Atualmente, o município já tem 20 famílias cadastradas e 15 jovens sendo cuidados até que possam retornar para casa ou serem adotadas. Nesta terça-feira (5), o programa foi apresentado pela secretária municipal de Assistência Social e Cidadania, Mariana Inojosa, à chefe da Divisão de Acolhimento de Crianças e Adolescentes da Prefeitura do Recife, Letícia Costa, que esteve no Complexo Administrativo do Jaboatão acompanhada por sua equipe.

O Serviço de Acolhimento em Família Acolhedora tem entre seus objetivos selecionar, capacitar, cadastrar e acompanhar famílias que tenham interesse em participar do programa. “Além de colaborar para reduzir o número de crianças e adolescentes institucionalizados, o acolhimento familiar é um ganho para a sociedade na qualificação do atendimento às demandas da infância. É importante para a família que acolhe. porque passa a receber diversos aprendizados e benefícios emocionais; E é fundamental especialmente para os jovens acolhidos, que passam a ter uma nova perspectiva de futuro por meio do afeto e carinho, além da convivência social e comunitária”, explicou a secretária Mariana Inojosa.

As Famílias Acolhedoras atuam na condição de voluntárias e as despesas geradas em razão do acolhimento são cobertas pela Bolsa Auxílio no valor de um salário mínimo. A partir do acompanhamento técnico de uma equipe especializada, as famílias são informadas sobre as condições do serviço, o perfil para acolhimento de cada família e o atendimento contínuo durante todas as etapas, de modo que a família acolhedora conta sempre com um suporte profissional. 

Um dos critérios para ser família acolhedora é não estar inscrita no Sistema Nacional de Adoção, até mesmo para poder receber temporariamente outros jovens nas mesmas condições. Recentemente, cinco crianças ou adolescentes que foram acolhidos no Jaboatão retornaram para as famílias de origem ou foram adotadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário